Outubro de 2008 - Danilo Periotto


Após uma votação apertadíssima, com direito a torcida organizada, o primeiro Concurso Santana do Mês elegeu um veículo de respeito: uma Quantum GLS 1.8 1987, cor Azul Stratos, de propriedade de Danilo Periotto. Danilo, que reside em São Carlos, interior do Estado de São Paulo, é associado desde 2006 e é participante ativo em nosso fórum de discussão, tendo ficado conhecido pela ajuda aos santaneiros com suas buscas por peças em desmanches.

A Quantum está na sua família desde 1997, e nos seus 10 anos de vida havia passado pelas mãos de apenas um dono. Estava muito bem conservada, o que motivou sua compra após uma paixão à primeira vista.

Num domingo de tempo bom em São Carlos, o Santana Fahrer Club entrevistou o proprietário que, ao lado de sua Quantum azul, era só sorrisos. Os locais das fotos também ajudaram bastante, com paisagens de beleza ímpar. Confira mais na entrevista a seguir, feita pelo presidente Thyago Szoke.

Santana Fahrer Club: Há quanto tempo você tem a Quantum? Quantos donos ela já teve?
Danilo Periotto: Compramos a Quantum em dezembro de 1997, pelo preço de R$6.500,00. Somos o segundo dono dela; entretanto, o primeiro não cuidava de quase nada. Já gastamos, com certeza, mais R$6.500,00 pra conservá-la como está hoje.

SFC: O que levou à sua compra?
Danilo: Na época estávamos fechando uma floricultura e, até então, só tínhamos uma perua Kombi para uso comercial. Queríamos um carro grande e confortável, mas não podíamos pagar um carro zero. Foi inevitável a escolha da Quantum, que sempre foi referência para a família.

SFC: Como costuma conservá-la?
Danilo: De todas as formas possíveis. Cuido de tudo, desde acabamentos, mecânica e elétrica. Perdi a conta de quantos itens já voltei ao que era originalmente, quando a Quantum saiu de fábrica. Quando não consigo resolver por conta, tenho um mecânico, especializado em Volkswagen, que é nosso amigo há mais de vinte anos. Ele sempre faz o serviço com muito cuidado, sabendo da estima que temos pelo carro.

SFC: Como foi a manutenção dela até hoje?
Danilo: Diria que foi tranqüila. Quebraram-se coisas naturais de uso, nada grave ou complicado de se resolver. Com o tempo notamos que, quando bem cuidada, a Santana Quantum tem uma ótima durabilidade com relação à suas peças.

SFC: O que você precisou fazer nela desde que a comprou?
Danilo: Muita coisa, principalmente detalhes de mecânica que o antigo dono simplesmente esqueceu, como mangueiras do arrefecimento, correias, suspensão em geral... O motor também estava um pouco judiado quando pegamos, mas rodamos com ela por onze anos e só a retificamos por opção. Segundo nosso mecânico, ela ainda rodaria muitos anos com o motor que estava, mesmo estando com a quilometragem avançada.

SFC: Sendo a Quantum um carro tão conservado para a sua idade, você tem algum equipamento de segurança instalado?
Danilo: O nosso último investimento foi equipar a Quantum com um equipamento de rastreamento via satélite. Com um Santana conservado como este não poderíamos deixar de nos prevenir contra um possível roubo. Agora temos a segurança de que podemos localizá-la 24h por dia, em qualquer posição do planeta. Acho que hoje em dia não dá para arriscar...

SFC: O que você mais gosta na sua Quantum?
Danilo: Sem dúvida o conforto. A Quantum foi concebida assim. Apesar de os engenheiros, na época de seu lançamento, estarem limitados pelas pressões do mercado, a Quantum já nasceu confortável. Não faltam itens de cortesia, como luzes de leitura frontais e traseiras, espelho iluminado, encostos de cabeça ajustáveis, ar condicionado e ar quente. Seu espaço interno é excelente. Todos que entram na Quantum elogiam isso. E não é só nos bancos da frente: o espaço para os passageiros que vão no banco de trás é igualmente generoso. O porta-malas, nem se fala. Apesar de seu acabamento gerar ruídos, ele tem um ótimo tamanho. Cabe toda a bagagem e ainda sobra espaço! Já a suspensão, é outro fator de grande conforto, muito macia. É um carro para se viajar mesmo.

SFC: E o que menos gosta?
Danilo: Com certeza os acabamentos frágeis, barulhentos e mal concebidos do painel de instrumentos e bagageiro. Não entendo como a Volkswagen do Brasil pecou tanto neste aspecto. As peças são feitas de um plástico ruim, seco, que quebra com muita facilidade. O pior é que pouca coisa mudou durante toda a geração da Quantum. O bagageiro, por exemplo, continuou praticamente o mesmo. É o que mais lamento na concepção da Quantum.

SFC: Conte-nos uma história em que sua Quantum foi o alvo das atenções.
Danilo: Como sempre mantivemos a Quantum o mais original possível, sou sempre abordado na rua por interessados em arrematá-la. Certa vez parei para abastecê-la em um posto recém inaugurado na cidade e deixei as chaves com o frentista, me dirigindo ao caixa, que ficava dentro da loja de conveniência. Fiquei distraído enquanto pagava e, quando me dirigi para a saída, vi várias pessoas em volta do carro, conversando com este frentista. Temendo que algo tivesse acontecido de ruim, me apressei a perguntar o que estava acontecendo. Quando cheguei perto, percebi que todos conversavam sobre os detalhes originais que ainda estavam nela, como frisos cromados, bagageiro, papelões de porta. Todos já haviam comprado, em algum momento, uma Quantum desta geração, e estavam saudosos recordando o que mais gostavam. Fiquei super satisfeito e recebi os cumprimentos de todos e inclusive um deles brincou: "Se você disser o preço eu compro agora!" (risos). Foi muito legal.

SFC: O que acha da iniciativa do Santana Fahrer Club de unir os proprietários em encontros, fórum de discussão e outras atividades?
Danilo: Quando encontrei o Santana Fahrer Club na internet, não acreditei que havia um clube tão bem organizado só sobre os Santanas. Fiz o meu cadastro e, no primeiro dia, fiquei até às 2:30 lendo os tópicos e colhendo muitas das informações que eu sempre quis ter encontrado mas nunca tinha acesso em lugar nenhum. Hoje, quase 2 anos depois, me sinto em casa, como se estivesse em família. Fiz vários amigos e pude compartilhar de muitas experiências boas no clube. Os encontros são o ponto alto, pois além de vermos todos os Santanas mais conservados do estado, ainda podemos nos comunicar diretamente com o pessoal que só falamos pela Internet. É uma iniciativa maravilhosa, sem exageros! Me sinto orgulhoso de fazer parte do Santana Fahrer Club e ter na Quantum a marca do clube, através do adesivo. Espero permanecer nessa família por toda a minha vida! É muito bom mesmo.

SFC: Mande um recado para os Santaneiros apaixonados como você!
Danilo: Prefiro pensar que eles são apaixonados pela Quantum (risos)... Pessoal, fico muito satisfeito em ter a oportunidade de contar pra vocês um pouco da minha história com a Quantum. Como eu disse, o Santana Fahrer Club é a minha segunda família! Estou muito feliz em ter recebido a maioria dos votos no primeiro concurso do Santana do Mês, promovido pelo clube. Isso demonstrou não só que vocês admiram a Quantum pela sua conservação, mas que votaram também por carinho e amizade, que pudemos estabelecer nestes quase dois anos de Clube. Espero que sempre estejam motivados a manterem os seus Santanas bem conservados e sempre bonitos, seja deixando originais ou modificando a seu gosto. O importante é não deixarmos que o encerramento da produção do Santana no Brasil faça com que desapareça este carro que tanto gostamos! Muito obrigado e um grande abraço a todos!
 

 

 

© Santana Fahrer Club 2003-2009. Todos os direitos reservados.